Retrato de um contraste

duas_caras

Sou um contador de estórias de 41 anos. Nem sempre agradáveis.

Jornalista. Nenhuma referência no meio. Só mais um trabalhador das palavras. Tenho semancol.

Aficcionado pela Língua Inglesa desde a adolescência. Já passei da idade de ser comunista antiamericano. Mas tenho meus limites pro American Way of Life. E, claro, tenho senso crítico.

Também não sou Aurélio Buarque de Holanda, Professor Pasquale e, muito menos, Machado de Assis, mas sei bom Português, resultado da educação que minha mãe deu.

Se fosse possível me sintetizar, inconstância e impaciência funcionariam bem. Eventualmente, bipolaridade (?) seria útil nesta tarefa. Impulsividade também me causou grandes problemas. Tb sou altamente crítico. Muito.

Alguns usariam loucura, mas fico feliz ao lembrar que ainda não cheguei a esse nível. Ainda não, acho.

Não sou um poço de características negativas e/ou assustadoras. Somente humano, mistura de defeitos e qualidades.

Na verdade, reservatório de contrastes.

TERMÔMETRO
Sou bem-humorado, mas não tenho aquele botão hipócrita eterno “de bem com a vida”. Até porque odeio frescura. Frescuras como imagens de Bom Dia com gatinhos e frases de Bíblia no Whatsapp.

Em um dia, posso acordar muito bem, brincando com todos,  Este bom humor pode ser confundido com “chatice”. E daí se sou chato mesmo? Lidar com esta questão é problema do interlocutor. Não estou participando de concurso de popularidade.

Mas também haverá dias em que mal abrirei a boca pra dizer um Oi.

Na verdade, isto até funciona como bom termômetro pra saber quem gosta de mim, de fato.

BIPOLARIDADE(?)
Assim como tenho bom humor, sou facilmente irritável. Em algumas ocasiões, fico irreconhecível. Uma delas é trânsito.

Lidar com playboy ou com “peruas” que acham têm precedência me deixa coisa de hospício mesmo, tipo, o Pateta naquele desenho “Senhor Volante”

Outra ocasião é atendimento a deficientes auditivos (como eu). Não sei se por treinamento precário, falta de raciocínio, preguiça etc mas tentar manter diálogos convencionais com quem não ouve, pra mim, é certificado de pós-doutorado em burrice.

Direto assim mesmo.

É minha falta de paciência falando por mim.

ORGULHO E DECEPÇÃO
Acho-me inteligente, mas sei que não sou nenhum Einstein. Houve uma época em que meu raciocínio era muito rápido. Talvez uma das poucas coisas que me davam orgulho.

Depois de três AVCs, incontáveis convulsões e um monte de neurônios a menos, o negócio ficou difícil.

Como tudo tem seu lado positivo, se não trabalhasse com uma atividade intelectual (sou jornalista, lembram?), meu cérebro estaria pior, com índices elevados de burrice.
Como cético, não tenho expectativa de que a proporção inteligência vs.burrice se revertam. Sempre haverá visitas ao hospital pra “ajudar”.

Por bem ou mal, perdas seguidas vão te tirando a esperança. Christy Brown  foi mestre ao dizer que “A esperança vai adoecendo o coração”.

FÉ?!
Sou cristão. Creio em Deus. Somente. Falo direto com ele e não preciso de intervenção de padre e/ou pastor.

Pra mim, Bíblia é só um livro histórico. Reflexo da época em q foi escrita, cujos costumes não devem ditar como devo viver hoje.

Infelizmente, faltou um capítulo nele, relatando as crueldades que a Igreja Católica fez com os “infiéis” durante a Inquisição na Idade Média. Queimando, empalando… A ausência desta parte pode explicar porque igrejas não rolam pra mim. Hipocrisia.

Rituais entediantes. Dedos apontando pra Igreja Evangélica. Essa mesmo que nem merece citação.

EMPATIA E OUTROS APRENDIZADOS
Mas em mim nem tudo é tão negativo.

É uma pena o fato de ter tido q perder a audição pra aprender a ter mais empatia. Não sou nenhum santo mas tem gente que se surpreende quando dou R$ 2 a um pedinte no semáforo. A maioria dá moedas de R$ 0,10.

Ainda que eu não seja nenhum algum Jesus, Gandhi, costumo gostar de ajudar as pessoas. Mas não sou banco. Isto é reflexo de alguém de já ter sido muito enganado. Aprendi a ser mais desconfiado.

Outro aprendizado que tive foi o de que a maioria das pessoas que eu chamava de amigos eram somente conhecidos, companheiros de farra. Amigos não somem à primeira vista de alguma dificuldade. Amizade não é uma relação unilateral. Aprendi isso na pele.

O que isso significa? Na maioria das vezes, estarei sempre sozinho ou dependendo da família.

COMPLICADO MAS INOFENSIVO

Se vc conseguiu chegou aqui e não pensou em me internar, saiba que existo mesmo. Não sou personagem de blog.

Este auto retrato sempre será atemporal. Em eterna produção. Alguns dias será drama. Em outros, comédia. Depende do meu ânimo instável. Talvez perigoso, mas vacinado.

Não tenha medo.

Quem deve ter medo de mim e meus contrastes aqui sou eu.

Fiquemos bem.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s